.

.

23 de fev de 2015

CANAL POR GRAVIDADE: De quem é a responsabilidade técnica?

Ultimamente muito se tem falado sobre o triste desenrolar da obra do "Canal por Gravidade" que está sendo executado no município de Icó.

Graças ao facil acesso as informações, a população como um todo tem tomado conhecimento de como anda e do que tem acontecido durante sua execução.

O assunto virou manchete principal de jornal de grande abrangência no Estado, e também já registraram o fato emissora de televisão, emissoras de rádio e blogs.

Diante de tudo o que já foi visto e lido, podemos, devemos e temos o direito de saber quem de fato e de direito é responsável pela obra, sua execução, seus possíveis problemas e principalmente, quem tem a responsabilidade técnica e jurídica para fiscalizar a correta execução, bem como prestar esclarecimentos sobre os problemas ocorridos aos órgãos responsáveis e a sociedade como um todo.

É de domínio público, já que foi publicada em uma rede social e republicada em um blog local, uma "NOTA DE ESCLARECIMENTO" (clique para ver), redigida e assinada por um arquiteto. Diante dessa nota, surgiram os seguintes questionamentos:

1) Existe engenheiro responsável pela obra e respectiva ART emitida?

2) Partindo do pressuposto de que exista esse engenheiro, por que a "Nota de Esclarecimento" foi redigida e assinada por um arquiteto, que até onde se sabe não tem vínculo legal com nenhuma das partes envolvidas na obra?

Faz-se necessário que o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia - CREA/CE, se pronuncie a respeito do caso.

Segue a redação completa da nota de esclarecimento.

domingo, 22 de fevereiro de 2015

NOTA DE ESCLARECIMENTO: Canal Por Gravidade / Icó-Lima Campos.

A quem interessar possa!
Para os leigos realmente saltam-se aos olhos, mas para o bom senso, se tiverem - há uma compreensão:
Primeiro. O canal não foi terminado ainda, e, como toda construção em andamento isso acontece quando em fenômeno da natureza chamado chuva;
Segundo. O sistema construtivo do canal por gravidade recebe uma manta (borracha) que o isola do terreno natural e, contudo, a água da chuva adentrou por debaixo desta manta onde, por uma declividade do terreno, que não estava feita ainda a drenagem, levantou as placas de cimento que estavam sendo executadas (isso acontece quando não é feito os drenos);
Terceiro. Para os politiqueiros de plantão - que é isto que está acontecendo - o canal vai continuar e o prejuízo é da empresa (COSAMPA), nada tem a ver com o Orçamento.

Toda Obra é suscetível às intempéries do tempo, isso não quer dizer que tal fato venha comprometer a qualidade da Obra.
A construção do canal está sendo acompanhada por uma fiscalização rigorosa e criteriosa por parte do DNOCS e está sendo aplicadas todas as regras que as planilhas pedem.

Vale salientar, ainda, que o trecho que foi afetado com a água da chuva não compromete toda Obra – como se falou nos meios de comunicação – apenas um trecho do Canal, ou seja, algumas placas foram comprometidas com a força da enxurrada que entrou para o canal, diga-se, mais uma vez, por um trecho que ainda não estava feito ou concluído a Drenagem.

As especulações politiqueiras são muitas e as intenções negativas também, chegando ao ponto de se comemorarem as desgraças alheias.

Contudo, em resumo, lhes afirmo os seguintes pontos: 1 – Toda e qualquer Obra de concretagem sofre com imprevistos naturais como chuvas e outros fenômenos; 2 – Não houve prejuízo aos cofres públicos (como afirmou certos blogueiros e outras mídias) por se tratar de uma Obra que ainda não foi entregue ao órgão do governo DNOCS; 3 – As construções do Canal por Gravidade de Icó Lima-Campos vão continuar (limpeza de faixa, terraplenagem, escavações, concretagens, obras de quedas, sifão e pontilhões); 4 – A empresa responsável pela Obra está ciente de seu compromisso e é suficientemente experiente em obras de edificações e terraplenagens em todos os estados do Nordeste; 5 – Os boatos de pessoas leigas ao assunto e que não tem nenhum compromisso social com a obra deixa a entender que não passa de um ato “Politiqueiro” e sentimento de revolta eleitoral pelo que lhe aconteceu em um passado recente da política local.

Ainda sim, como um dos colaboradores para esta tão sonhada Obra, deixo aqui os meus sinceros agradecimentos para àqueles que nos compreendem e os meus sentimentos desprezo aos que querem fazer tempestade numa Obra de canal ou em um copo d’água.

Fico solícito aos que quiserem mais esclarecimentos de forma técnicas mais abrangentes.

Grato,
Icó, em 22 de fevereiro de 2015.
Edjalma Moreira da Cunha
Arquiteto e Urbanista
CAU/CE Nº 146941-2

Nenhum comentário:

Postar um comentário